É muito confuso falar de sistema e de capitalismo. É muito confuso não tentar soltar as correntes, assim como é confuso deixar tudo em sua ordem 'natural'. É confuso agir como se eu não fizesse parte de tudo isso, como se eu só olhasse esse quebra cabeça não encaixar nenhuma peça. Algumas pessoas tem essa mania, de observar do alto não se colocando no jogo, ignorando que ela está ali, participando do mundo. Er, eu sei como é, é muito mais fácil achar alguém em quem colocar a culpa e se dizer vitima da situação. É muito fácil olhar ao redor e dizer 'sou uma marionete, o sistema me controla'.
Idealismo, Capitalismo, Socialismo. Até que ponto um lado está certo, até que ponto um lado está errado? Até que ponto é certo dizer o que é certo?
Não acho que os fins justificam os meios, os meios é que justificam os fins.
Só acho que o socialismo não é uma página que a gente vira procurando um final feliz, não mesmo. E tem gente que insiste em fazer isso. Dá vontade mesmo, mas não pensar nos danos é tolice.
É tudo tão complexo, tão amplo, que se perder em perguntas leva questão de segundos, e para encontrar a resposta, leva-se muito tempo. E tem perguntas que não possuem respostas, apenas meras hipóteses e teorias. Eu tenho muitas perguntas, e elas nem fazem tanto sentido, só para mim, talvez. Tem coisas que não fazem sentido porque fazem sentido demais.
Eu não quero que leiam, eu só quero desabafar. Colocar pra fora o que sinto pra deitar e conseguir dormir em paz. É a lei da vida. Sem essa de carma. Se tem uma coisa que detesto é colocar a culpa em Deus para os males da vida. Religião é uma coisa, (e eu tenho minhas crenças e conceitos a respeito da vida bem diferente da maioria, eu acho) sistema ideológico é outra completamente diferente. TODOS os pobres do mundo não são pobres porque Deus quis assim. Eu não interpreto a vida dessa forma. Deus, tem mais o que fazer do que brincar de marionetes com os humanos. A culpa não é dele por haver pessoas tão gananciosas, ou é. Mas como eu disse, não meto Deus nesses assuntos, seria dizer que existe um ponto de apoio, um fim que justificaria o meio. "Deus quis" é mais comodo do que arregaçar as mangas e ir realmente atrás de uma resposta, um meio de esconder a verdade, de viver sem sentir dor. Não condeno quem vive assim, não mesmo. É o jeito mais brando de se viver, não saber de nada, fingir não saber. Difícil é viver sabendo do que o ser humano é capaz, do que ele pode manipular, interferir, coagir, em beneficio próprio. Menos doloroso é fechar os olhos e se colocar no lugar de vitima, como eu falei no inicio. Sem perceber que as peças não encaixam porque você está tirando a sua do lugar.
Enfim, chega. Acho que já estou sem nexos pra escrever, e já consegui soltar o que estava reprimido, por enquanto. Que lutem de mãos atadas, que corram com correntes presas aos pés, que sorriam com ataduras, que chorem sem lágrimas.
E eu? Eu continuarei aqui, assim como você, vivendo, sorrindo, chorando, tentando entender essa vida e não entendendo absolutamente nada. Indo ao shopping, fazendo parte do capitalismo, trabalhando por necessidade e sobrevivência, para sustentar um sistema na qual eu faço parte. Eu tenho correntes, só não te garanto que as aceito. 
E não, eu não tenho um plano mirabolante para quebra-las. Sou uma revolucionária inerte, que vê o mundo de forma exagerada e insana. Não estou julgando ninguém, apenas desabafando como já disse.
E sim, sou bem critica. Já deu pra notar né?


Deixe um comentário