Eu continuo seguindo. Não me pergunte pra onde, isso eu não sei te responder.
Estou caminhando, sem rumo, apenas observando a trajetória. Não quero ter que decidir o final dessa estrada agora, ainda tem tanta coisa pela frente. Só quero  sentir enquanto posso o vento que sopra sem direção, o cheiro da terra molhada, sentir meus pés descalços na terra gelada sem preocupação. Me deixa só andar, por favor.
Não me pressione, não me apresse. Eu sei o tempo certo de agir. E se não souber também, tanto faz. Sou fruto da minha colheita. Sou responsável pelos meus atos e se eu quebrar a cara pode dizer que avisou. Não vou me importar.
Ainda é cedo pra morrer, mas não é tarde pra viver. E estou vivendo, do meu jeito insano, mas vivo.
Não venha me dizer que sou só de sonhos..
Não sou. Sou. E como sou.

Deixe um comentário