Desculpa escrever sobre você. Você que mal sabe meu nome. Você que nem lembra de mim. É que não dá pra negar o que um dia eu fui capaz de sentir por você. Não dá pra negar o quanto mexeu comigo. Era tão bom.
Eu adorava nossos momentos, que você nem sabe quais. Adorava nossas conversas, nossos planos, falar dos nossos sonhos. E você nem sabe disso.
Eu sinto muito.
Você não sabe que eu queria que fosse diferente. Não sabe que eu te queria.. Ou melhor você sabe, deve saber. Estava tão na cara que me sinto ridicula por não ter tentado disfarçar. Na verdade, eu achava que disfarçava, mas eu não conseguia enganar ninguém. E sabe o que é pior? É que eu poderia ter tentado mudar o rumo de todo esse nosso enredo, mas, eu recuei. Recuei por medo de te perder. Recuei por não ter sentido algo assim, tão avassalador, por ninguém. Recuei por achar impossível você gostar de mim. Recuei porque eu sou uma medrosa. Esse é o fato. 
Meu coração ainda dói quando lembro de você e a melhor forma de amenizar essa dor é colocando para fora tudo que sinto.
E é incrivel que depois de todo esse tempo eu ainda seja capaz de lembrar tantos detalhes, logo eu que não lembro nem o que fiz ontem. Sou capaz de lembrar nossas verdades ditas em brincadeiras, nossas histórias, nossos desvios. Sou capaz de lembrar o quanto te desejei e o quanto eu quis ser a menina que você amava. Sou capaz de lembrar quantas vezes eu queria um abraço seu e quantas vezes me fez sorrir. 
É engraçado como tudo já não vale mais nada. Como tudo parece ter sido um surto da minha imaginação. Como parece ter sido um sonho o qual sem querer, eu tive que acordar. Você não faz mais parte da minha história, na verdade, nunca fez. Eu te deixei escapar.
O espetáculo já acabou e eu estou sozinha nesse palco, lembrando de textos já esquecidos. E você nem  sabe disso. E não quer saber. E nem precisa saber.

Deixe um comentário