Eu queria não sentir essa pontada no peito, não ficar meio ofegante, conseguir respirar normalmente, mas eu simplesmente não consigo. E eu só queria saber por que você? Poderia ser qualquer garoto, qualquer um, mas é você. Só você e ninguém mais parece interessante o suficiente para merecer as batidas aceleradas do meu coração. E olha que talvez nem você as mereça. 
Eu queria. Queria não gostar de você. Quem sabe assim eu tivesse dado atenção àquele garoto, ao invés de suspirar por você. Eu até tentei, mas ele não tinha seu olhar devastador, seu sorriso inebriante, apaixonante. Ele não falava verdades escondidas em brincadeiras, não fazia seu joguinho, não colocava minhas coisas favoritas em conversas aleatórias e nem me deixava confusa como você adorava me deixar.
Ele era calmaria, frente ao furacão que é você, que passa bagunçando tudo no meu coração. É estúpido gostar de ti, eu sei. Logo você que nada me oferece a não ser meia dúzia de incertezas, logo você que eu nunca soube entender o que estava sentindo, ou porque fazia questão de lembrar de mim quando eu estava tentando te esquecer, mas como sempre fui do contra, prefiro tua tempestade, do que andar em águas calmas, prefiro correr na tua chuva, sentir teu vento frio do que acordar em uma manhã ensolarada de domingo. Prefiro andar em um labirinto, ao invés de um caminho retilíneo. Prefiro essas borboletas voando em meu estômago em busca de liberdade, esse alvoroço que corre em minhas veias. Prefiro esse fogo que arde meu peito, que percorre meu corpo, que me arranha, que faz eu me sentir viva.
É por isso que é você. Porque esse tempo todo, não me senti tão nítida com ninguém o tanto que me sinto com você.

Deixe um comentário